19.2.10

verdade mal dita

cigarro, isqueiro e uma xícara de café.
nove e dezoito da manhã, sol meia boca.
boca fechada.
dor aguçada.
decisão tomada.
que não liga mais nada.
no meio dessa mentirada.

não venha mais me negociar.
é bom as vezes se perder, sem ter porque, sem ter razão.
ah... quantas vezes eu te falei 'isso vai mudar'.
motivo eu nunca dei.
você me avisar ou me ensinar, falar do que foi pra você. não vai me livrar sentir.
eu te digo, nem assim, você vai evitar.
de tanto eu te falar você suverteu o que era um sentimento e assim fez dele razão pra se perder.
no abismo que é pensar em sentir.
não se arrependa dos seus feitos.
seu feitiços e seus medos, eu guardei como segredo.
é hora de virar, a pagina, as costas.
menina dos cabelos dourados agora dorme serena a dor minha de um beijo seu.
dois beijos seu.
três beijos seu.

- Camila eu acho que a gente tem alguma coisa em comum, deve ser nossa inteligencia, deve ser comum, é só que o resto das pessoas são burras.
- Com certeza, é nossa inteligencia menina.

agora é ponto de fraqueza que já fora avisado em meio aos lençois sujos de sexo.
te uso como ponto de referencia menina, que de graça me faz chorar.
não discuto com femeas, as como.
não luto por homens, os tenho.
vou seguindo na rima breve de quem já não quer mais amar.
volto pro casulo do bloco do eu sozinho.
e adeus você.
quero te ver maior. menino mimado.
ve se te alimenta, e saiba que eu fui pro meu lugar.

2 comentários:

_viiih disse...

bem escrito, mas louco demais pra ter algum nexo para nos entendedores externos!

SolBarreto disse...

Concordo com o comentario anterior, e bem escrito, mas so é realmente entendido pra quem sabe o que se passa...minha duvida é:esse blog é so pra vc?ou as pessoas podem participar tb?