20.10.09

conjuga-me

eu minto
tu mente
ele mente
nós mentimos
vós mentis
eles mentem

ah mas quanto amor, lhe deixa marca nos braços esbranquiçados e cabeça funcionando a mil por hora pra inventar mais uma mentira.
coisa pouca, nada de muito.
te dou tudo pela metade, e minha suave e burra morena.
abra sua porta para mim, suas pernas, e seu coração.
prometo. acabo com tudo em segundos. te mostro o quanto sou boa nisso e naquilo.
vou te recitar poemas lindos, que minha cabeça esperta inventou olhando o céu enquanto te ouvia cantarolar.
só não me incomoda quando descobrires que fora enganada.
gosto do meu jantar em paz, quieta, e com a garota que eu escolher pra minha noite meio grau.

primavera é o caralho.
sorrisos ironicos, poesias velhas, quadros caindo.
parede manchada de amiga morta.
chama a outra. minhas unhas são curtas não te fazem sangrar.
só sei mesmo secar, suas lágrimas, suas angustias, suas dúvidas.
conjuga-me como quiseres. só saia pela porta amarelada. com seu sorriso amarelado, dentes amarelados, dedos amarelados.
não quero nada mulher feita dos barros que não tiraste de suas botas.
não me apareça com mais histórias. traste mal inventado.
cansei de todo o cansaço que me proporcionas.

mente tu
minta você
mintamos nós
menti vós
mintam vocês

-you know, i'm not in love. you know, this is not love.


Um comentário:

_viiih disse...

quatro dias. mudam-se as expressões, as impressõas, os corações.
mudam-se os corações?
leu este texto de agora, recordo do anterior.
meu coração está naquele. e não nesse.
quatro dias? será possivel que a adaga deixe tanto ferimento.
será possível, e é.
quatro dias. quatro dias para o texto de amor aparecer pelas tuas mãos.